quarta-feira, 6 de março de 2013

Chorona sou eu!

Estranho! Assim que eu posso definir o dia de hoje. Acordar com uma notícia lastimável, uma perda inexpressiva. Eu não acreditei, eu quis que fosse mais uma morte que as pessoas do twitter resolvem matar de vez em quando, eu fiz as contas pra descobrir se hoje era primeiro de abril.

É estranho como as pessoas conseguiam sorrir e rir. Pareciam não saber o valor que se foi hoje, só nos restam memórias e músicas boas a ouvir. É estranho poder, finalmente mas não felizmente, escolher uma música favorita, uma vez que toda vez que eu escolhia uma, chegava um novo álbum pra me fazer mudar de ideia. É triste imaginar um futuro com os artistas que chegaram ao topo recentemente, que não sabem fazer uma poesia com conteúdo, que te faça querer viver ao prestar atenção na letra e não vomitar ou querer dar na cara das vagabundas que esquecem que aquilo é só uma música e não algo pra elas botarem como lei em suas vidas. Penso nos meus filhos, netos e em como eles serão não podendo ir a algum show onde o letrista será um cara de respeito, um poeta, alguém que descreve a realidade de forma consciente. Com certeza você falou mais palavrão do que deveria, usou mais drogas do que deveria, mas eu nunca julguei ninguém por isso, não vou começar com isso agora. O ser humano é defeituoso, mas você superou e enfrentou a vida com força, incontáveis vezes que você me fez enfrentá-la também através de suas canções. 

Quantas vezes eu não esperei o fim de semana chegar pra, sei lá, viajar, dar uma festa, tocar o puteiro e esquecer aquele que tinha me magoado, nem que fosse só por uma noite? Quantas vezes eu não fiquei com a minha preguiça boa, à toa, sem deixar ninguém estragar meu dia? Quantas vezes não escutei Hoje Eu Acordei Feliz só porque tinha uma festa, ele ia estar, eu ia e tudo ia ser perfeito? Quantas vezes eu não fiz o que tinha que fazer, buscando a evolução e me libertando, sem ficar perdida no espaço porque ficar só reclamando é muito fácil? Quantas vezes não deixei de falar o que queria porque quem tem boca pode até falar o que quer mas não pode ser mané? AH! E já que estamos nesse assunto, meu esporte predileto também é o mesmo do Romário. Quantas vezes não acreditei ter encontrado meu verdadeiro amor só porque tinha passado a entender melhor a vida? Quantas vezes não tinha visto o tempo passar, pouca coisa mudar e por isso tomei um caminho diferente? Quantas vezes eu não estava em paz e não quis guerra com ninguém? Quantas vezes não vi gente indo embora e saber que foi melhor pra mim? Quantas vezes o outro não cuidou de mim e eu larguei e não voltei mais porque comigo ninguém tira onda? Quantos dias e noites eu não passei pensando no que fiz, me sentindo vencedora porque tinha lutado pelo que eu quis? Quantas vezes eu não saí para encontrar o amor que eu espero a tanto tempo? Quantas vezes eu não estava cansada no circuito da noite de maurícios e patrícias, seguidores da onda e iludidos da vida, e procurei uma saída? Quantas vezes eu fiquei bem só porque eu sabia que eles queriam que eu me sentisse mal pra se sentirem bem? Quantas vezes eu não tive certeza que se não fosse eu, ninguém faria ele feliz? Quantas vezes eu não quis que me deixassem exercer minha loucura em paz? Quantas vezes eu não percebi que eu não tinha mudado mas que minha vida era outra? Quantas vezes eu não cuidei de quem tava do meu lado e que me fazia bem porque é a coisa mais pura? Quantas vezes eu não estava em um momento bom e só pensando em me divertir mas começaram a me seguir? Quantas vezes eu não escutei o que dizia minha alma e passei a levar a vida com um pouco mais de calma,porque deixei que meu instinto mais puro me mostrasse o caminho? Quantas vezes eu não mandei nos meus sentimentos só pra ganhar o mundo? Quantas vezes eu não acreditei que ele só vinha me procurar porque eu dizia tudo o que ele gostaria de escutar? Quantas vezes eu não larguei as besteiras que eu tava pensando porque sua voz soou, cantando pra mim, que ser forte é ter força pra continuar, que ter força é ter força pra se superar? Quantas vezes não me senti tocar o céu só por ver ele feliz? Quantas vezes eu não lutei pra que se eu não pudesse fazer ele a pessoa mais feliz do mundo, eu chegaria o mais perto disso possível? Quantas vezes eu não desejei um fim de tarde, um lugar só meu e ele pra curtir?

E todas, TODAS, as vezes em que fiz essas coisas, eu lembrei de você e de como você é sensacional, um gênio, um poeta, que sempre soube tudo sobre a minha vida. Soube coisas da minha vida antes de eu saber, antes de eu saber que aconteceriam comigo e então eu chorei ouvindo suas músicas por você me conhecer tão bem, por você conhecer meus problemas e, melhor ainda, por você saber qual deveria ser meu próximo passo. Então se você não sabe fazer poesia, com o perdão da palavra, MAS QUE SE FODA, ninguém mais saberá. A vida já me derrubou, a vida já me deu abrigo, mas foi você quem me situou e me mostrou que a solidão não faz sentido. 

Tanta gente defecando sobre sua morte, sobre as pessoas que falam sobre isso, mas quem é que nunca teve sua melodia e sua poesia marcada na trilha sonora da própria vida? Quem não assistiu malhação? O mundo chora a sua morte, eu chorei a sua morte como não chorei por ninguém da minha família, porque não se faz mais poetas como antigamente e, os que estão feitos, estão nos deixando. A preciosidade que você nos deixou como herança, ficará guardada de modo que todos possam saber o gênio que você foi e de como houve artistas bons no século XXI, mas a vontade de ter sempre mais um som novo, mais uma música nova e boa pra ouvir ficará junto.

E quem discorda, deveria perder a audição, porque não merece ouvir mais nada, já que não sabe apreciar o que é realmente de qualidade.

"Que mundo é esse que ninguém entende mais um sonho? Que mundo é esse que ninguém sabe mais amar?"